Nossa Sra. de Fátima

Nossa Sra. de Fátima
NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Fundamentação Bíblica do Dízimo - Reflexões Sobre o Dízimo

Fundamentação Bíblica do Dízimo - Parte I

“Pagai integralmente os dízimos ao tesouro do templo, para que haja alimento em minha casa. Fazei a experiência – diz o Senhor dos exércitos – e vereis se não vos abro os reservatórios do céu e se não derramo a minha bênção sobre vós muito além do necessário”. Ml 3,10

“Cada um dê conforme o impulso de seu coração, não dê de má vontade ou constrangido, pois Deus ama a quem dá com alegria”. II Cor 9,7

A Bíblia está cheia de referencias sobre o dizimo, as quais devidamente interpretadas nos revelam as promessas e as bênçãos que Deus deseja aos seus filhos. Destacamos a seguir alguns textos bíblicos referentes ao Dízimo:
1. A essência da partilha “foi Deus quem tudo fez, a Ele tudo pertence” (Gn 1,1-31);
2. As ofertas de Caim e Abel (Gn 4,3-4);
3. O sacrifício, o dízimo de Noé (Gn 8,20-22);
4. O dízimo de Abrão (Gn 14,17-22);5. O dízimo de Jacó (Gn 28,20-22; Gn 35,1-7.14-15);
6. As leis: estar em dia, ser fiel a Deus (Ex 22, 28-31);
7. O dízimo de Moisés – a décima parte (Ex 25,1-9);
8. A construção do tabernáculo (Ex 35,1-29);
9. Os dízimos são propriedades do Senhor (Lv 27,30);
10. O dízimo que passa sob o cajado do pastor “a décima parte” é do Senhor (Lv 27,31-32);
11. A lei acerca das ofertas, a décima parte (Nm 15, 1-4);
12. A doação das primícias “os primeiros frutos” (Num 15,15-21);
13. Separar o melhor para Deus - Estipêndio dos Levitas (Nm 18,25-32);
14. A Lei do Santuário Único - local da doação do dízimo (Dt 12,6-11.14);
15. O dízimo incorporado à Lei (Dt 14,22-29);
16. As primícias e o dizimo (Dt 26,12-15);
17. As ofertas do dizimo – a décima parte (1 Sm 8,15-18);
18. A bondade da viúva de Sarepta (2 Reis 4, 1-4).
19. Ação de graças pelas oferendas (1 Cr 29,3-4 – 13-17);
20. As ofertas do dízimo – fraternidade e partilha (2 Cr 31,1-21);
21. A manutenção do culto, compromisso do cristão (Ne 10,33-40);




 Reflexão Sobre o Dízimo

As Mensagens aqui preparadas têm o objetivo de evangelizar através do Dízimo. O apóstolo São Paulo orienta aos cristãos de Corinto: ¨Poderoso é o Deus para cumular-vos de toda a espécie de benefícios, para que tendo sempre e em todas as coisas o necessário, vos sobre ainda muito para oda a espécie de obra boa¨. (2Cor 9,8)

O Dízimo é um dos meios para dizer ao Pai. Estamos aqui, Senhor para colaborar com teu Reino. Dá-nos um coração generosos e um espírito fraterno para que possamos, cada dia, entender melhor a tua Palavra. O Dízimo não é imposto, obrigação, taxa ou tarifa.

Dízimo é antes de tudo uma devolução à Deus , uma partilha gratuita, coinsciente, data de coração, com sinceridade e generosidade. Cada um dê conforme decidir
em seu coração, sem pena ou constrangimento, porque Deus ama a quem dá com alegria (2 Cor 9,7) .

O Dízimo tem três finalidades importantes: Dimensão Religiosa , Dimensão Missionária e Dimensão Social.

A) Religiosa– Manutenção da Igreja, água, luz, telefone, funcionários, folhetos de missa, livros toalhas, velas, material de escritório e secretaria, hóstias, vinho, ajuda às
pastorais, etc.

B) Social– Auxilio aos pobres e aos doentes, promoção humana, apoio à pastoral da criança, pastoral do menor, etc. O bem que é feito com o dinheiro do Dízimo é como se fora feito ao próprio Jesus, ¨Tive fome e me deste de comer¨. (Mt 25, 35a)

C) Missionária– Formação de lideranças, formação de catequistas, ajuda aos seminá r ios , mi s sõe s populares, etc. Assim devolver o Dízimo é também contribuir com a
evangelização na paróquia.

São Paulo nos diz que três são as virtudes teologais: fé, esperança e caridade, no entanto a maor delas é a caridade . Por isso a evangelização da Igreja exige que ela faça também um serviço de promoção humana. Não basta a pessoa ser dizimista, ela precisa participar da comunidade, viver como um autêntico cristão na família, na Igreja e na sociedade.

Ninguém compra a Deus com seu Dízimo. Dízimo é gesto de fé de quem se sente responsável pela Igreja de Cristo e quer que o Reino de Deus se torne cada dia mais
real na comunidade. Se cada fiel viver a experiência do Dízimo a Deus através da comunidade irá perceber que a Igreja não vai precisar mais realizar bailes , festas ,  quermeses, rifas para investir nas dimensões acima mencionadas. Enquanto a Igreja estiver fazendo festas para angariar recursos significa que muitos cristãos ainda não devolvem o seu Dízimo a Deus.

fonte: http://www.catolicosnaflorida.org/

 Reflexão Sobre o Dízimo - Tire Suas Dúvidas - Parte II

Se a pessoa é bem pobre, que nada tem é obrigado a devolver o Dízimo?
A pessoa bem pobre que nada tem, nem para o seu próprio sustento, deve ser ajudada pela comunidade com a Dimensão social do Dízimo.

Eu não dou o Dízimo na Igreja porque os padres são ricos e tem uma vida boa.
Em primeiro lugar, o dinheiro do Dízimo não é para o padre e sim para a comunidade. O padre recebe o seu salário e nada mais, como determina a Diocese. Em segundo lugar, se os padres têm vida tão boa, por que faltam tantos padres? Você não gostaria de ser um padre?

Se eu devolvo meu Dízimo, estou prestando um favor á Igreja?
Não. Você, devolvendo o dízimo, não está prestando nenhum favor. Você esta apenas assumindo o seu lugar na comunidade como membro responsável. Você está devolvendo a Deus o que já é d’Ele e se o Dízimo é de Deus você não esta ajudando e sim devolvendo.

Muitos católicos vão á missa todos os domingos, participam dos sacramentos e por que não devolvem o Dízimo?
Porque, muitas vezes, o apego ao dinheiro e aos bens materiais dificulta as pessoas de serem bons dizimista. São Paulo nos adverte: “A raiz de todos os males é o amor ao dinheiro. E pela cobiça, alguns se desviaram da fé e vivem atormentados em muitas aflições” (I Tm 6:10).

Por que o dizimo é uma expressão de fé?
Porque se tenho fé devolvo o dizimo e acredito na Palavra de Deus. Seria contraditório dizer que creio na Palavra de Deus e não acredito no dizimo. Por isso podemos afirmar que dizimo e fé caminham juntos e são inseparáveis. Quem tem fé devolve o dizimo. Quem não tem fé não devolve. “Porque a fé sem obras é morta” Tg. 2. 17.

Por que devolver o Dízimo se eu sou um cristão sempre pronto a ajudar?
Se você faz tudo isso, muito bem. Você está no caminho certo. Mas para completar suas ações tem que dar o bom exemplo, devolvendo o Dízimo na comunidade.

Eu coordeno um Grupo de Oração na minha Igreja. Estou dispensado de devolver o Dízimo?
Não! Não está dispensado. Dízimo foi instituído por Deus e é a forma que a Igreja adota aos tempos atuais para poder realizar sua missão evangelizadora. Ninguém pode se omitir deste gesto na comunidade, porque é o sinal concreto de participação nas suas necessidades materiais. Os grupos de oração devem ser ajudados pelos seus membros em forma de doações, ofertas, colaboração, ajuda, etc...

 Reflexão Sobre o Dízimo - Tire Suas Dúvidas - Parte III

Por que os seguidores de outras crenças dão 10% de Dízimo e os católicos dão entre 1 e 10%?
O Dízimo dos católicos baseia-se no amor e na gratidão a Deus, dado com alegria como escreve Paulo: “Cada um dê de acordo com seu coração”. (II Cor 9:7).O Dízimo de algumas religiões ou crenças é um Dízimo forçado, onde predominam ameaças de castigo para quem não devolver 10% de sua renda. Alguns pastores ou líderes são oportunistas, chegam a exigir o Dízimo como pagamento de curas recebidas.Jesus jamais pressionou ninguém. Sempre usou de misericórdia para com as pessoas. Ele mesmo nos ensina: “Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso” (Lc 6:36).Por isso, respeitar as pessoas, seja qual for a sua condição de vida e deixar a liberdade de decidir sobre a porcentagem do Dízimo é seguir corretamente a Palavra de Deus.

Você disse que tudo o que temos vem de Deus, mas se eu tenho é porque trabalhei e consegui com o suor do meu rosto, não é mesmo?
Exatamente! Se você tem é porque trabalhou e Deus permitiu. Se Deus não permitisse, você não teria o que tem. Jesus contou-lhes uma parábola: “A terra de um homem rico deu uma grande colheita. O homem pensou: „ O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita‟. Então resolveu: „ Já sei o que fazer! Vou derrubar os meus celeiros e construir outros maiores; e neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. Então poderei dizer a mim mesmo; meu caro, você possui um bom estoque, uma reserva para muitos anos; descanse, coma e beba, alegre-se!‟ Mas Deus lhe disse: „ Louco! Nesta mesma noite você vai ter que devolver a sua vida. E as coisas que você preparou, para quem vão ficar?‟ Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico para Deus” (Lc 12:16-21).Por isso, devolver o Dízimo é um gesto nobre e através dele, você está colocando parte dos seus bens a serviço do Reino de Deus e dos irmãos menos favorecidos.

É certo ajudar mensalmente os meios de comunicação evangélicos e outras obras de caridade e pensar que está dispensado da contribuição do Dízimo?
Não. Não é certo. O Dízimo existe para a manutenção da Igreja.Os meios de comunicação são muito importantes para a evangelização e nós devemos ajudar. As instituições de caridade e obras sociais também dependem da contribuição dos fiéis, mas a elas devemos destinar ofertas, doações, patrocínios, etc...Dízimo é somente aquilo que levamos regularmente á Igreja para as obras na comunidade. É uma contribuição estável, periódica e constante.

Por que dando o Dízimo na Igreja estarei também praticando a caridade?
Quando sua comunidade acolhe uma pessoa necessitada, um doente, uma família com dificuldade ou qualquer pessoa que precisa de ajuda, está praticando a caridade da ação social, e você devolvendo o Dízimo estará praticando a caridade junto com a comunidade.

Reflexão Sobre o Dízimo - Tire Suas Dúvidas - Parte IV

Por que o Dízimo é uma experiência de Fé?
A Palavra de Deus não deixa nenhuma duvida, Dízimo é uma forma de experimentar o grande amor que Deus tem para todos aqueles que confiam na sua Palavra e nos seus ensinamentos, como nos diz a Sagrada Escritura: ―Façam a experiência comigo, diz o Senhor‖ (Mt 3:10).Deus convida a cada um de nós para fazermos esta experiência de amor para com Ele. Quantas pessoas já fizeram e hoje são felizes, porque acreditaram na Palavra de Deus e nesta experiência de amor!

Quais são os fundamentos do Dízimo?
Para justificar a necessidade de contribuir com o Dízimo, podemos indicar quatro fundamentos distintos, que são: bíblico, teológico, comunitário e pastoral.

Fundamentação Bíblica
A fundamentação bíblica está bem clara na Sagrada Escritura. O Dízimo é um mandamento, uma expressão da vontade de Deus a todo os eu povo, quer no Antigo Testamento, quer no Novo Testamento.A palavra dízimo tem origem na contribuição legal da décima parte dos bens das tribos de Israel para o sustento dos sacerdotes, órfãos e viúvas. No Novo Testamento a contribuição deixou de corresponder precisamente ao valor de 10%, e tornou-se o cumprimento do mandamento do amor, posto em pratica pela partilha alegre e generosa. Eis alguns textos, que irão nos ajudar nesta reflexão, mostrando que o termo Dízimo evoluiu na compreensão do povo de Deus:
―Todos os dízimos da terra são propriedade do Senhor... São coisas consagradas ao Senhor‖ (Lv 27:30).
―Tragam o Dízimo ao templo do Senhor, para que haja alimento em minha casa‖ (Ml 3:10).
―Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, como eu vos amo‖ (Jô 15:12).―Cada um dê conforme o impulso do seu coração, não dê de má vontade ou constrangido, pois Deus ama a quem dá com alegria‖ (II Cor 9:7).

Fundamentação Teológica
A fundamentação teológica do Dízimo baseia-se no plano de Deus. E tem suas origens no Antigo Testamento, onde o povo reconhece que tudo vem de Deus, a vida, o trabalho, os bens materiais, etc... Não existe Dízimo sem ligação com Deus. É algo que vem d’Ele e volta pa Ele através das mãos do homem, impulsionadas pela fé, como reconhecimento de que tudo o que temos e somos a Ele pertence e sem Ele nada temos e nada somos.

As virtudes da fé, esperança e caridade são dons gratuitos de Deus. O sinal de que efetivamente recebemos esses dons sobrenaturais se revela em nossa vida, em nossas atitudes. Quem tem fé, acredita na Palavra de Deus segundo a qual devemos ser sinal do seu amor no mundo, espera que todos os irmãos vivam dignamente e ama seus irmãos em concreto, oferecendo sua colaboração para que as suas necessidades sejam satisfeitas de modo organizado.

Fundamentação Comunitária
Terceiro fundamento do Dizimo é o comunitário. A comunidade é uma família, a família do povo de Deus, onde se testemunha o Cristo pela vivencia da fraternidade como expressão de fé. A comunidade verdadeira se ama e se ajuda. Por isso, todos são responsáveis por tudo o que acontece nela.A igreja não é um conjunto de pessoas alheias umas ás outras. Se assim fosse, não seria uma comunidade unida. O povo de Deus que é a Igreja esta organizado, sua missão é exercida por pessoas que exercem funções em benefícios de todos. A comunidade de fé esta no mundo e por isso se organiza de modo humano.O retrato de uma comunidade verdadeira está em Atos dos Apóstolos: “Todos os fieis viviam e tinham tudo em comum. Vendiam as suas propriedades e os seus bens, e dividiam-nos por todos, segundo a necessidade de cada um”.Que lindo exemplo que cada um de nós deveríamos seguir. Você que é católico, vem á igreja todos os domingos e não contribui com o dizimo, gostaria de ver sua comunidade funcionando bem? Então, retribua e faça com alegria e amor.

Fundamentação Pastoral
O quarto fundamento do dizimo é o pastoral, a evangelização. A atividade pastoral gera despesas com atividades missionárias em geral, salário dos missionários que estão a serviço das comunidades, ajuda ás paróquias e comunidades pobres em locais distantes, em outras regiões do país.Jesus fala sobre o trabalho dos evangelizadores e defende os seus direitos: “O trabalhador merece o seu sustento” Mt. 10. 10.São Paulo também afirma: “O ministro  do culto vivo do seu ministério” 1Co. 9. 13-14.

Dizimo: opção generosa da pessoa de fé
A bíblia diz que quanto mais uma pessoa é generosa e abre a mão e o coração para partilhar, tanto mais recebe as bênçãos de Deus. O coração do egoísta é fechado para dar e, em conseqüência, também fechado para receber. Só quem é generoso e não tem medo de partilhar o que possui, está de fato aberto para receber as bênçãos de Deus. “A alma generosa será cumulada de bens; e o que largamente dá, largamente receberá” Prov. 11. 25.

Por que em muitas paróquias o dizimo não vai bem?
Em algumas paróquias o dizimo não vai bem porque as lideranças, muitas vezes, não acreditam ou não assumem a pastoral do dizimo como deveríam assumir. Existem pessoas que exercem, ministérios dentro da igreja e não devolvem o dizimo. Alguns por falta de conhecimento da Palavra de Deus, porque não têm consciência do que é ser igreja e outros, simplesmente, por comodidade pessoal.

Cada um tem uma justificativa pela sua omissão. Devolver o dizimo é um dever de todos, a começar pelos padres, diáconos, Ministros da Eucaristia e da palavra, catequistas, coordenadores de comunidades, coordenadores de pastorais, Grupo de Oração e, enfim, pessoas que prestam algum serviço espontâneo na comunidade ou trabalham em festas, rifas, bingos, promoções, etc... . Nenhuma destas pessoas está dispensada de devolver o dizimo. Pelo contrario, essas deveriam ser as primeiras a dar o bom exemplo.
—->Devolver o dizimo é ser justo para com Deus e estar de coração aberto para colaborar com o seu Reino, que é de justiça, amor e paz.
—->Com o dizimo você ajuda a transformar a Igreja para que ela seja cada vez mais unida e fraterna, a fim de que possa cumprir a sua missão evangelizadora como Jesus a quer.
—>Dizimo é sinal de compromisso de fidelidade com Deus, com a igreja e com os pobres. Jesus, na sua bondade infinita, instituiu a sua igreja, para ela evangelizar, catequizar, servir e santificar. E, para que ela possa desempenhar a sua vocação evangelizadora no mundo, necessita de recursos materiais e esses recursos devem provir de nós, seus filhos, que somos e formamos a igreja viva de Cristo aqui na terra.
—->Dizimo é como uma semente, quando plantada e cultivada, teremos a certeza de que produzirá muitos frutos para com Deus, com a igreja e com os pobres. “Aquele que dá a semente ao semeador e o pão para comer, vos dará rica sementeira e aumentará os frutos da vossa justiça” 2Co. 9. 10. É só confiar em Deus, devolver o dizimo e os frutos, com certeza virão em abundância.
—->A opção pelo dizimo nasce quando o cristão começa a dar valor á Palavra de Deus. Ao invés de só pedir, aprende também a agradecer, não só no aspecto espiritual, mas também no aspecto material, que é devolução do dizimo.
—->Devolvendo o dizimo, estou colocando em comum uma parte dos meus bens, para que todos possam viver com dignidade, como filhos de Deus. “nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” Jo. 13. 35.
fonte: http://www.catolicosnaflorida.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário